Singapura


Há duas maneiras da vida viver, 
acreditar que milagres não existem,
acreditar que milagres todas as coisas podem ser,
onde tudo parece perfeito grandes mistérios subsistem. 

Misteriosamente desapareceu sem rasto deixar,
bailarina ausente da  vida que passei a ter,
meu corpo dorme a vida toda sem nunca acordar,
nos lugares mais profundos que só ouso saber.

A voz dela muda mentalmente chamei,
soube dentro de mim que não ia mais voltar,
na esperança parca silenciosamente gritei,
na linguagem privada que tínhamos de amar.

Levada para além dos limites da emoção,
espírito atormentado quem o poderá conter,
as estrelas são a esperança na escuridão,
a noite é negra um pouco antes do amanhecer.


BIA

MARÇO 2013