A obra-prima que nunca viu publicada!

Enche o meu peito, num encanto mago,
O frémito das coisas dolorosas...
Sob as urzes queimadas nascem rosas...
Nos meus olhos as lágrimas apago...

Anseio! Asas abertas! O que trago
Em mim? Eu oiço bocas silenciosas
Murmurar-me as palavras misteriosas
Que perturbam meu ser como um afago!

E, nesta febre ansiosa que me invade,
Dispo a minha mortalha, o meu burel,
E já não sou, Amor, Soror Saudade...

Olhos a arder em êxtases de amor,
Boca a saber a sol, a fruto, a mel:
Sou a charneca rude a abrir em flor.

In Charneca em Flor





JOY


O talento das nossas vidas,
segredo bem guardado,
amargas lições nele contidas,
reveladas têm outro significado.

Capacidade de o identificar,
apraz momento decisivo,
desenvolver vibração e manifestar,
dom consciente e compassivo.

Uma minúscula centelha,
enquanto via para a mudança,
plenitude de felicidade assemelha,
liberdade plena de amor e segurança.

Todos temos um neste universo,
essência da medula inconsciente,
do estado vegetativo liberto,
JOY do Dom maior presente.