Brancas pétalas


Vida a que resistimos encerrou-se,
na concha acanhada duma memória.
A muralhas elevadas confinou-se,
gira dentro delas em dança volutuosa.

Longe de imaginar tal trincheira,
sentenciada a um imortal redopio,
tímida e triste prisioneira,
vacilando ao sabor do teu navio.

Estranha sensação de movimento,
clamando que me socorram, em voz rouca,
refúgio fechado num tormento,
um sorriso vão ambulou na minha boca.

Numa fachada mística de grandeza,
náufraga da vida, ando a perecer.
Vida que ao nascer embeleza,
de brancas pétalas o rosto da mulher.
Enviar um comentário